O REPULSIVO ODOR DE NAFTALINA



                                                               


Das coisas antigas que me lembro, são aqueles bondes que faziam a alegria dos estudantes caronas e o trabalho insano dos cobradores correndo atrás da garotada para pagarem as passagens quando eles pulavam dos estribos.
Nestes maravilhosos e romanticos meios de condução tinham aquelas propagandas maravilhosas do tipo:
Veja, ilustre passageiro, O belo tipo faceiro/que o sr.tem a seu lado/mas,no entanto acredite/Quase morreu de bronquite/Salvo-o:Rhum Creosotado.
                                                                  

E também todas as mulheres do mundo tinham duas poções mágicas e de absoluta confiança para o excesso,falta ou escassez naqueles dias nos quais era necessário estar prevenida com aquele remédio, verdadeira panaceia dos males femininos, naqueles tempos idos de tantas décadas atrás.
                                                                      

Tempo antigo no qual, muitas mulheres, se orgulhavam de ter um cafetão ao qual sustentava e geralmente era por ele espancada para aprender que mulher tinha que servir, ser submissa, respeitar seu macho, e quando quisesse o seu amor teria que comprá-lo.
Época sombria desta sociedade na qual só tinham grandeza, os bondes e os seus anúncios muito saudosos.
Evoluimos, que bom chegaram as feministas, puseram a casa em ordem,lutaram durante décadas por sua emancipação, conquistaram o mercado de trabalho, se impuseram perante uma sociedade na qual só lhes era reservado comentários que diziam que lugar de mulher era na cozinha, ou num belo tanque cheio de roupa para lavar e outras teses da misoginia , a repulsa, desprezo ou ódio contra as mulheres. Esta forma de aversão mórbida e patológica ao sexo feminino está diretamente relacionada com a violência que é praticada contra a mulher.
Infelizmente, ainda hoje!
Porém, a luta da sociedade como um todo é de reprovação a tudo aquilo que possa colocar a mulher numa posição subalterna em qualquer tipo de situação.
Mas, quando tudo parecia estar caminhado bem, no Dia Internacional da Mulher o Presidente da republica federativa do Brasil entorna o caldo e coloca a mulher no seu lugar mais primitivo e superado dos últimos 70 anos no mundo ao vociferar com ar machista:
"Tenho absoluta convicção, até por formação familiar e por estar ao lado da Marcela , do quanto a mulher faz pela casa (TAMBÉM), pelo lar (TAMBÉM). Do que faz pelos filhos(TAMBÉM). E, se a sociedade de alguma maneira vai bem e os filhos crescem, é porque tiveram uma adequada formação em suas casas e, seguramente, isso quem faz não é o homem, é a mulher (TAMBÉM)". 
Pronto,Sr.Presidente, ao colocar o meu "TAMBÉM", prestei a devida correção ao seu desastroso discurso e, por ter feito isto, não quero nenhum cargo em seu governo.
Sou alérgico a estas antigas  bolinhas de naftalina!

2 comentários:

disse...

As feministas só causaram problemas para as mulheres, hoje as mulheres vão perder direitos por causa delas, vc constatará isso com a reforma da previdência, cadê as feministas pra reagirem?? Elas só brigam em favor de abortos, de colocar os seios de fora quando querem, de andarem nuas, só servem pra lutas que denigrem cada vez mais as mulheres. As mulheres saíram de um extremo a outro.
Essas que se dizem ser feministas lutaram tanto pra terem direitos iguais que só conseguiram nos ferrar. E essas mulheres estão com ódio de homens, reclamaram tanto deles, que estão querendo ser eles, até na cama.

Quanto ao que o Temer disse, acho que ele quis valorizar as mulheres que não exercem papel profissional na sociedade, mas que são importantes na criação dos filhos, na formação da família, na administração de suas casas, isso tbm é trabalhoso e não há vergonha nisso.

Quantas mulheres criaram seus filhos no passado, foram mães, amigas, professoras pros seus filhos, e a sociedade era bem melhor que hoje. Ah, não sou feminista sou feminina.
Não me arrependo de trabalhado fora, acho legal ter uma profissão, mas nada melhor do que cuidar do lar, ter uma família estruturada em todos os sentidos, e o melhor de tudo isso é saber, que nós mulheres, mães e esposas, fizemos parte disso, isso é trabalho também.E bem mais difícil que trabalhar fora, é a tarefa mais difícil de uma mulher. Eu, trabalhei muito, mas sentia falta de estar em casa, um dia resolvi abandonar tudo pra ficar em casa, e graças a Deus não me arrependo. Só tive lucro! Paz maninho!

PAULO TAMBURRO. disse...


RÔ,

estes comentários como o seu, valorizam tanto o meu blog que eu se ficasse aqui lhe agradecendo centenas de vezes, seria muito pouco para expressar minha gratidão.

Acredite que neste comentário você fez uma leitura sociológica impecável e eu a parabenizo inclusive pela sua capacidade sinótica de escrever sobre um tema que eu, confesso apesar de sociólogo, não conseguiria ter a precisão didática e muito menos a capacidade de resumir,como aqui você se colocou.

Um abração carioca.