HÁDESER - A ORIGEM DO NOME


                                                          Capítulo 5.

HÁDESER – A ORIGEM DO NOME.

Os seus derradeiros habitantes tiveram o cuidado histórico de reunirem toda uma documentação audiovisual gravada em fita cassete, daquelas muito antigas que tinham som e imagem gravados, deixando‑as para a posteridade.
É um testemunho surrealista da sua existência, a todos aos incrédulos e àqueles que só acreditam no que está escrito, tipo filosofia de jogo do bicho e querem ver para crer, no melhor estilo São Tomé.
É a transcrição deste material que se baseia a historicidade de Hádeser aqui narrada.
O nome Hádeser está intensamente ligado a uma verdadeira irritação aos habitantes daquele país quando algum embaixador de qualquer país amigo ou político em missão oficial ou  presidentes de outras nações diziam enfaticamente em entrevistas públicas que, Hádeser era o país do futuro e que haveria num dia muito próximo, alcançar seu merecido desenvolvimento.Irritação maior só era conseguida quando, além desta maldita frase, juntavam-se os elogios sobre as suas deslumbrantes riquezas naturais, seus rios,montanhas, florestas , fauna e flora muito ricas e inexploradas, além dos seus mares intermináveis, sua grandiosidade territorial, a bondade de seu povo,a beleza de sua gente e outras afirmações deste gênero  de rasgados elogios.E quando isto era pronunciado, e desta forma, passava a ser considerado um ato de provocação, oficialmente sujeita a sérias retaliações e pesadas punições, por parte das chamadas autoridades superiores. Foi um trauma adquirido por aquele povo que iremos entender.
Pesquisar o motivo deste constrangimento nacional é encontrar as razões históricas dos freqüentes desentendimentos ocorridos entre Hádeser e os Estados Coesos – EECC. Nação muito unida e a que mais enaltecia às possibilidades futuras daquele povo e sempre apresentava-se como o país "amigo" de Hádeser que sempre procurou ser uma espécie de “irmão mais velho rico e protetor” do povo Hádeseriano e aos quais os Hádeserianos copiavam em tudo, no modo de se vestir, comer, cantavam  suas musicas em frenéticos musicas e mais pareciam macacos de imitação, enfim, culturalmente subordinados!
Todos os embaixadores dos Estados Coesos, quando visitavam Hádeser só comentavam exaustivamente sobre isto apesar de nunca saberem direito qual era a capital de Hádeser e viviam sistematicamente, fazendo negócios com Hádeser e sempre levando o que de melhor existia e deixando só quinquilharias e bugigangas para os nativos.
Foram os Estados Coesos é que criaram entre Hádeserianos uma verdadeira neurose de grandeza inútil e verdadeira rejeição a adjetivos deste Jaez (que palavra!) pois, sentiam-se continuamente elogiados e explorados, não necessariamente nesta ordem!. Durante muitas décadas a menção de “nação do futuro” gerou em Hádeser intensas expectativas. Sucediam-se as gerações e, no entanto tudo que restava era a esperança de ser a “nação do futuro”, “o futuro da nação”, “amanhã seremos" e voltamos a repetir: coisas deste gênero! Criou-se então o Comitê Nacional pró Realidade – CONAREAL- que tinha a incumbência de não deixar o povo iludir-se mais com aquelas menções “honrosas” e enganosas daquela natureza. Então, reprimia, reprimia e reprimia.
O CONAREAL  era uma Secretaria da Presidência da República Hádeseriana com pouquissimos empregados e tralhavam muito, com um rígido horário de trabalho de 08:00 às 08:30 às terças-feiras  com 30 minutos regimentais para lanche.Ou seja, só trabalhavam às terças-feiras! Como assim?
Atendendo aos majoritários apelos da consciência nacional, o Conareal fazia questão que seus 42.600 (quarenta e dois mil e seiscentos) empregados recebessem um piso salarial mínimo e compatível com a natureza transcendente da sua missão, fixado em 200 (duzentos) vezes o salário mínimo vigente. Os cargos de diretoria em número reduzido de 2300 (dois mil e trezentos) tinham tabela especial, aprovada durante Sessão Plenária do Congresso Nacional Hádeseriano que ficava em recesso durante 11 meses do ano fato, também que, nunca ficou efetivamente explicado! 
Dentre as múltiplas funções do Comitê Nacional pró Realidade – Conareal, uma era a de prover aos alunos dos mais diversos graus do ensino de uma matéria que exorcizasse da juventude de Hádeser daquela abominável ilusão de país do futuro e criasse, aí sim, a mística da modernidade, agora, já e que era fundada nas mais concreta e absoluta realidade. A matéria lecionada em todos os graus chamava-se Estudo das Soluções Hádesianas – ESH, na qual a mística da modernidade atual em oposição ao “país do futuro” era ministrada por professores, em geral militares – não desculpem – militantes da ativa filosofia do Conareal.
O depoimento gravado em fita cassete está muito prejudicado neste trecho.O som é muito ruim e a imagem esmaecida! Talvez tenha entrado água na caixa da fita. A imagem some muito. Um desastre. A existência da preocupação governamental era abolir da nação a sempre indesejável perspectiva de um dia ser grande, o melhor, o mais desenvolvido,  e o cansaço e explorado povo Hádeseriano queria efetivamente era o desenvolvimento já. A modernidade!!! Ser globalizado, globalizar, globulhar-se, globulhezar-se…
Tem-se notícia de centenas de manifestações populares pela Campanha do “Desenvolvimento já” ou “Futuro agora”! Modernidade moderna! “Modernismo com moderna modernidade”, “Moderno piu moderno”, “globalização é tudo”, globalizar é globalizar”, entre outras . 
Enfim, o depoimento de um cidadão Hádeseriano. 
Num dramático depoimento deste cidadão de 87 (oitenta e sete) anos, entrevistado pela Rede Goela de Televisão – tinha  este nome nome pois, engolia sempre a concorrência e dominava todas as audiências.
                                                                                 CONTINUA...]
                                                                       

PREFÁCIO PROPRIAMENTE DITO.

HÁDESER-O PAÍS DO FUTURO.

                                                                                          by Paul Tamburrowisk

Capítulo 4

E tudo começou no Período jurássico quando ainda não existia a Praia de Ramos.



Não pense de terno e gravata. Liberte‑se das amarras inconvenientes da lógica formal do raciocínio. Venha conosco ludibriar a chatice da realidade e brincar de fantasia literária.
Se você vive respondendo que está “tudo bem” ao amigo que passa apressado na rua, esquecendo‑se que está desempregado, devendo a todo mundo ou chama a um ilustre desconhecido de “meu amigão” e até de “meu irmãozinho”, ou ainda, se você vive vendendo firmeza e aquela autoconfiança, por vezes só teórica, com a celebre afirmação de “deixa comigo, está tudo sob controle”, então,  sem dúvida nenhuma, você é um tipo especifico cultural de brasileiro deste país. Teu nome é: carioca!
Este ser que se considera completo e, se imagina sempre de sunga na vastidão do mar infinito, pele dourada e impregnado pelo odor afrodisíaco sensual de maresia, e que de forma incorreta (mas, nem sempre) é acusado  de uma certa inaptidão para o trabalho. É este o clima! 
Hádeser quer afastar‑se da presunçosa objetividade. Não encontrarão aqui nenhum rigor cientifico nem histórico! Portanto mergulhem de barriga em Hádeser, pois, estas páginas foram escritas como uma forma derradeira de resgate daquele senso de “carioquismo”- que as balas perdidas não conseguem acertar- que na realidade é a do povo brasileiro e daqueles que ainda cultivam a liberdade e o desapego pela chatice formal, da mesmice contumaz encontradas naquelas obras encadernadas de capa dura e letras douradas.Ao invés da apoteose ao Cartesianismo, vamos bagunçar e, esquecer que somos seres- ladrilhos, irremediavelmente presos nesta parede interminável de compromissos diários.
Hádeser é um devaneio. Um soluço intelectual sem nenhuma pretensão de imortalizar‑se como obra prima, tia, avó, ou cunhada. Você poderá até considera‑la uma obra madrasta, filha bastarda da intelectualidade carrancuda que se alimenta da ingestão compulsiva do chopinho e falar sobre miséria em mesas perdidas nos bares da moda, nos quais se endireita o mundo na teoria e, inundam-se os mictórios, na prática. E haja limão ou naftalina para melhorar o ar ambiente!
Hádeser pretende inaugurar a literatura amante, ou seja, pouco compromisso e muito prazer.

Mas, continuando aqui nossa, necessária e rápida introdução (calma, prefácio!), Hádeser seria mais bem descrita como uma sátira de costumes, isto se tivéssemos realmente a pretensão de adjetivar esta nossa inconsequente e desprezível não‑contribuição ao acervo literário da humanidade. Finalmente, diríamos que, se você é lógico e vive procurando coerência nos fatos, vá ler outra coisa. Que tal o Pequeno Príncipe?

                                                                                                                   CONTINUA.

HÁDESER-O PAÍS DO FUTURO CAPITULO 3



                         A SEGUNDA GRANDE DISCUSSÃO COM A EDITORA.

 A QUESTÃO DA ORELHA


Além de terem mudado meu nome para um que fosse mais atrativo para o marketing e a mídia em geral ,no qual eu deixei de ser Paulo Tamburro para ter que engolir este nome globalizado, internacionalizado  e metido à besta  de Paul Tamburrowisk veio a segunda grande desavença entre este autor e a editora:É que ela queria que o livro tivesse uma orelha e eu achava pela dimensão histórica da obra,deveria ter sim, mas um rosto completo
Em principio recusei‑me a permitir a inclusão de somente uma orelha neste livro. Durante algumas semanas ponderei junto ao dono da editora que Hádeser, nos traria um resgate de um passado absolutamente, desconhecido pela humanidade e pela magnitude histórica dos ensinamentos que aqui serão oferecidos ao grande público e a classe política em geral ‑ que poderão até mesmo servir de balizamento programático para os futuros governos sejam eles de tubarões, lulas, camarões ,peixe espada ou baiacu ‑ este livro merecia ter um rosto completo. repito,e não e tão somente uma simplória orelha.
No entanto, os burocratas de plantão fincaram pé naquilo que diziam ser "norma da editora e impossível de ser alterada". 
Um deles até numa atitude grosseira disse que “era melhor ter a tradicional orelha do que uma cloaca”. 
Como ele me pegou desprevenido com esta palavra fui correndo ao dicionário saber o significado daquele troço e la estava que cloaca é a cavidade onde se abrem o canal intestinal,o aparelho urinário e o genital das aves granivoras em maioria,dos repteis,dos anfíbios, dos peixes cartilagíneos e mamíferos monotremados.
Resumindo:Onde saem as fezes, a urina, o esperma e os ovos.
Após ter aquele choque de constrangimento com a contundência comparativa daquela afirmação do conselheiro da editora , reconheci que uma orelha seria o menos pior, pois, espantava aquela indesejável cloaca do meu livro apesar de destruir meu sonho de poder colocar um rosto completo em Hádeser - O país do futuro.

Superado aquele impasse burocrático, afirmo que o livro trata de relatos fantásticos sobre uma antiga nação que existiu, provavelmente onde ninguém sabe e, muito menos de mais nada que possa ser esclarecido. No entanto, o achado do seu material histórico gravado em latim vulgar em varias fitas‑cassetes encontradas na gruta do Pinto Caído no interior do Piaui as quais mandei traduzir, contratando um seminarista que me cobrou duzentas e oitenta e cinco velas daquelas  imensas que duram 30 dias, por cada hora de gravação, irá revelar uma nação como nunca, outra existiu. 
Paguei sem regatear, apesar dele ter declarado não saber o que faria com tantas velas e tão grossas,caso não obtivesse êxito como seminarista. Afinal, enfiar aquilo tudo onde? Deixou de ser problema meu!

Hádeser é um épico da esculhambação sócio‑politica e econômica de uma época tão pretérita ‑ se você não conseguiu entender o significado desta palavra sugiro procurar uma revista em quadrinhos e que só tenha quadrinhos ‑ mas que em vários momentos parece ser aqui e agora. A devassidão das atitudes em todos os setores da sociedade Hádeseriana supera em muito as verificadas nas torcidas organizadas nas arquibancadas do Maracanã ou das maracutaias políticas brasileira. É um livro de leitura obrigatória para todos os nativos que sempre ouviram, continuam a ouvir e, pelo jeito ouvirão ainda por muito tempo, esta secular, irritante e despudorada frase “de que seremos o país do futuro”.
Confiram na história de Hádeser as verossimilhanças com algumas nações contemporâneas nas quais, ou você já ouviu falar ou encontra‑se milagrosamente sobrevivendo, como um cego, surdo,mudo ou imbecilizado socialmente.
O que absolutamente, não é o seu caso, o meu,enfim o nosso caso!
                                                                                                             CONTINUA...

HÁDESER O PAÍS DO FUTURO: CAPITULO 2.
                                                            by Paul Tamburrowisk



DESCRIÇÃO SUMARÍSSIMA E EXPLICATIVA SOBRE A BUROCRACIA OPERACIONAL E TIPOGRÁFICA, QUE ENVOLVEU A ESCOLHA DA CAPA DESTE LIVRO E AS PENDENCIAS JURÍDICAS -SEMPRE EM MODOS IN REBUS - QUE ESTIVERAM EM OPOSIÇÃO.
AGORA, IMAGINEM O QUE AINDA VEM POR AÍ.


A RAZÃO ESSENCIAL DA QUESTÃO: PODERÍAMOS COLOCAR O MAPA DO BRASIL DE CABEÇA PARA BAIXO NA CAPA DO NOSSO LIVRO?

                                          
                                                     HÁDESER :O PAÍS DO FUTURO!


  


Foram propostas vários tipos de ilustrações e qualidade de materiais para a elaboração da capa deste nosso livro.
Em princípio, não gostamos de nenhuma.
Das sugestões apresentadas, todas foram deletadas, isto porque, sempre acreditamos que esta obra merecia algo muito melhor, e optamos, ao invés de capa, por um guarda-chuva. É verdade que jamais deixaríamos de considerar, também a hipótese de um belíssimo manto aveludado, podendo também fazer concessões para as elegantes galochas usadas em grandes, médios ou pequenos temporais pelos mais precavidos e, a qualquer tempo pelos imbecis. E o que é um imbecil? A definição clássica de imbecil é aquele tipo de personagem que, geralmente apresenta-se com um ranho amarelado na borda dos olhos e uma gotícula de cuspe espumante branco nos cantos da boca.
Sempre fomos da opinião que capa fica muito bem em jogador de futebol sentados no banco de reservas.Porém a empresa contratada por nós e que ganhou licitamente a licitação licitada ilicitamente...Êpa, what porra is that? Espera aí.Ganhou lícita ou ilicitamente? Realmente, não seria nesta nossa contratação em particular, que deixaria de haver uma bulha,sinônimo de confusão geral e, até um certo cheiro de corrupção explícito, no ar.Para dirimir dúvidas existentes sobre a matéria licitatória,resolvemos solicitar parecer consubstanciado do advogado o Dr. Roubamos leys, Chefe da seção jurídica da nossa empresa e que esclareceu-nos o seguinte: 
Existe uma lei de número 84765896345/ 2007  que combinada aos artigos 28 a 1543 da Constituição Federal da nossa república e , atrelada aos incisos 12 ,14 a 197 do Código Canônico, editada na Bula do xarope (desculpem falha de digitação) Bula Errata do ano de 1567 pela Camerata de Viena em lá sustenido menor, e outros diversos andamentos como o alegretto e o alegretto non tropo que autoriza nossa pretensão de virarmos o mapa do Brasil de cabeça para baixo e termos sim uma capa para o nosso livro.

Portanto, finaliza o Dr. Roubamos que existe uma lei clara, concisa e objetiva sobre a matéria em discussão, não cabendo recurso de nenhuma das partes litigantes sob pena de sério atentado a jurisprudência estabelecida. 
Desta forma é inevitável, segundo o Dr. Roubamos que o nosso livro tenha capa e não galocha ou guarda-chuva como tantos outros desejavam. Nossos opositores não aceitaram as explicações, segundo eles um pouco confusas, do emérito tribuno, resolveram apelar para a Suprema Corte e, receberam a informação sumária que a decisão definitiva em caráter irrevogável -apesar do pedido de urgência urgentíssima- seria proferida daqui a sessenta e seis anos quatro meses, vinte e dois dias, catorze minutos e uns poucos tantos segundinhos.Ou seja, esta é o tipo da  decisão  jurídica que só os bisnetos dos meus opositores, irão tomar conhecimento.Irão?

                                                                                      CONTINUA...

HÁDESER: O PAÍS DO FUTURO!


                                 
Contaremos aqui em capítulos a história de Hádeser, um país imaginário no qual suas vísceras, mazelas,erros  e pouquíssimos acertos serão aqui narrados para a posteridade.
Hádeser é a história de um país real imaginário e o autor teve seu nome mudado pela editora, pois achavam que Paulo Tamburro não ia cair bem, pois não agregava marketing e então, inventaram algo mais globalizado sob a alcunha de Paul Tamburrowisk.
                                             

                                                       HÁDESER CAPÍTULO I
                                                                                            by Paul Tamburrowisk.

O AUTOR: Paul Tamburrowisk teve pneumonia aos seis meses, além de otite,amigdalite,sinusite,asma, catapora,varíola, coqueluche e varicela. Quando criança possuía também muitos furúnculos nas nádegas que só saravam quando era exprimido o carnegão. Espinhas no rosto eram mais abundantes do que as estrelas da constelação de Orion ,consequência de seus hormônios explosivos e  das tentações do sexo oposto, principalmente, da sua empregada doméstica Jacyra, cabocla baiana bunduda e inspiradora dos seus primeiros  ensaios na área do sexo solitário e muito mais tarde, por pena dela tanto ver o autor deste livro contorcer-se sozinho, Jacyra resolveu abrir-se.E abriu!
Quando estudante contraiu febre amarela,verde , azul e branca além de um passageira febre tifoide.
Diplomado em varias faculdades nas quais aprendeu um método fácil de levar a vida que eram as técnicas de "colar", técnicas estas  que sempre julgou ser a moderna e acelerada forma de passar de ano. Heterossexual assumido, tendo nascido no ano em que foi parido.Como todo pseudo intelectual vive namorando a esquerda , a direita,o centro, mas prefere namorar mesmo dentro de um Hotel Popular anteriormente destinado a mendigos.E após estas intermináveis noites de orgias subvencionada pelo Estado,toma seu café da manhã e almoça no Restaurante Popular.Usa Vale transporte,Bolsa- escola,Bolsa -família,Bolsa medicamentos, está inscrito nos Programas favela -bairro e Casa-para-todos. É sócio honorário do Programa Fome -zero que apesar de extinto, entrou na justiça e garantiu a continuidade desta generosidade do poder público para si. Conseguiu!Sua grande esperança é que nos próximos meses seja criado o Ticket-Ferrari,que sempre foi o seu grande sonho de consumo automobilístico.
                                                           
                                                        GÊNESIS DE HÁDESER

E TUDO COMEÇOU NO PERÍODO JURÁSSICO QUANDO AINDA NÃO EXISTIA A PRAIA DE RAMOS.

                                                   Mapa físico de Hádeser.

                                                                                  CONTINUA...

CENTRAL DE ATENDIMENTO OU NUNCA FUI TÃO "SENHOR" NA MINHA VIDA!




                                                            
Hoje já temos quem nos ouça. As empresas se estruturaram com sofisticados call-centers. Atendentes são treinadas, para além de chamá-lo de senhor exaustivamente e quem sabe, eventualmente, resolver seus problemas. Aliás, este era o caso. Meu cartão de crédito solicitado há vinte e sete dias, ainda não tinha chegado às minhas mãos. Então vamos aproveitar a tecnologia e a comodidade, colocadas à nossa disposição:
-Nagoya, boa tarde, em que posso servi-lo, senhor?
-Nagoya? É Nissei? – perguntei pra quebrar o gelo.
-Não senhor, Sansei. Qual o problema senhor?
-Eu nunca acerto... -respondi  com um sorriso amarelo e quase me desculpando.
-Em que posso servi-lo, senhor?- E ela queria mesmo atender este senhor aqui!
-É o seguinte, meu cartão de crédito ainda não chegou e eu já pedi há algum tempo.
-Pois não senhor. Pode me confirmar alguns dados, senhor?
-Quais?
-Nome do seu pai, nome da sua mãe, sua data de nascimento e número do seu CPF, senhor.
E então, eu disse tudo que sabia. Se mais não disse, é porque não fui perguntado.
-Obrigado senhor. Seu cartão de crédito é Estendido Premium, não é isso senhor?
-Estendido?
-Correto senhor, tem um chips amarelado, correto senhor?
-Deve ser, eu pedi e ainda não chegou, portanto não sei dos detalhes.
-Os detalhes são estes senhor. Então senhor, infelizmente não é aqui, só atendo cartões Econômicos, sem chips, senhor. Vou transferi-lo para o setor responsável, senhor.
-Nagoya...
Já era! Bem que tentei. Imediatamente outra atendente na linha.
-Meu nome é Ruth, boa tarde senhor, em posso servi-lo, senhor.
-Ruth da bíblia?-brinquei para quebrar um pouco minha tensão que já dava sinais de sobrecarga na minha rede de energia elétrica.
-Desculpe senhor, em posso servi-lo?
-É o seguinte meu cartão ainda não chegou é Estendido Premium, com chips, exatamente com o que você trabalha, segundo informou sua colega.
-Exato senhor. Pode me confirmar alguns dados, senhor?
-Confirmar não, eu posso reconfirmar, pois sua colega já me pediu.
-Desculpe senhor, mas é para sua própria segurança. Nome do seu pai...
Estava certo. Atualmente nunca se sabe quem é o interlocutor. E lá estava eu repetindo tudo de novo. Mas afinal era para minha segurança...
-Obrigado senhor. É com o titular que eu estou falando, senhor?
-É. Pensou que fosse o “Ricardão”?- Brinquei de novo e ela nem notou.
-Um momento senhor.
Após “uns momentos”...
-Senhor, quando o senhor, pediu o novo cartão, senhor?
-Tem uns vinte dias.

                                            



-Engraçado senhor, não consta no sistema, senhor.
-E que graça tem isto? – notem que desta vez eu fui às forras!
-Desculpe senhor, vou transferi-lo para o setor de emissão de novos cartões Estendido Premium, com chips, senhor.
-Mas Ruth?
Novamente, não consegui pegar e uma nova atendente, no entanto com a presteza habitual já se apresentava.
-Esther, boa tarde, senhor? Em que posso servi-lo, senhor?
-Como assim?O velho testamento está todo trabalhando aí. A bíblia está toda reunida aí?
-Como senhor, não entendi...
-Deixa pra lá...
-Em posso servi-lo, senhor?
E então, com já havia decorado direitinho o meu texto, disse-lhe tudo rapidinho.
-Ok, senhor pode me confirmar alguns dados, senhor?
-Não, não posso. Tenho amnésia, Alzaimer, arteriosclerose, e estou tendo um AVC- explodi sem ter mais saco para nada!
-AVC, senhor?
-E olha,Quer saber de uma coisa?
-O que senhor?
-Você podiam até me chamar de “brother”, “amigão”, “cara”, “mano”, “maluco”, ”tio”, mais cacete se resolvessem o meu problema,não teria problema
-Senhor...
 Fui mas rápido. Ela ficou falando sozinho.
Algum tempo mais tarde, já tendo me vingado suficientemente das atendentes, do sistema, do call-center, enfim, verifico que ainda estava com o mesmo problema. Que bobagem tinha feito, por um simples prazer, fui fazer minha atendente infeliz, com diria Jamelão no clássico: Matriz e filial.
Voltei a ligar:
-Jesus, boa tarde. Em posso servi-lo, senhor?
-Quem está falando?- perguntei incrédulo!
-Jesus, senhor!
-Senhor, eu? Quanta humildade sua!- respondi quase me ajoelhando.

Mas, finalmente exultante e agradecido aos céus pela dádiva concedida, tive a certeza de que agora sim, teria resolvido meu problema, e sem intermediários, pois, Deus é grande, Deus é pai! 

MODUS IN REBUS!



                                                             



Sinceramente nunca entendi muito bem o significado deste termo jurídico metido à besta e com ares indecifráveis de tradução para nós outros que nas aulas de latim ficávamos conversando com a menininha gostosa do lado.Mas eis que num esforço sem precedentes e gastando a metade da dinheirama que o Sergio Cabral comprou de joias para a nossa primeira dama, coloquei a minha imensa equipe de pesquisadores na rua para solucionar o problema e chegamos a conclusão que modus in rebus é uma locução latina.
Ora, que descoberta mais idiota não é?
Quem diria tratar-se de uma expressão chinesa, grega, quiçá turca ou polonesa? Alguns dos nossos pesquisadores chegaram até a pensar em pedir para que o Odebrecht nos enviasse alguns milhões de dólares para dar continuidade as pesquisas, porém não permiti, não admiti mesmo, que aqui se criassem dificuldades para gerar mais tarde, facilidades, absolutamente e em alguns minutos descobri tudo no Google.
Realmente é uma locução latina que significa: "há medidas nas coisas", "para tudo deve haver moderação" e ela é encontrada nos escritos de Plauto, Poenulus e Horácio alguns pilares básicos do latim clássico  esta verdadeira joia da roma antiga.
Pô me lembrei novamente da mulher do Sergio Cabral.Maldita ideia fixa!
Eu tenho certeza que esta informação sobre o significado de modus in rebus irá mudar definitivamente a vida de todos vocês e amanhã quando acordarem ninguém será o mesmo, pois, finalmente, desnudamos a verdadeira essência do significado deste troço que nos atormentava!
Entre os menos cultos existia até a falsa ideia que  isto significava algo de natureza sexual e ligado a rabo!
Afinal, brasileiro só pensa nisso, mas quanta falta de sabedoria e ignorância, não é minha gente?
Eu mesmo certa vez presenciei uma conversa entre dois participantes do BBB no qual um deles confessava que permitia "eventualmente" brincadeirinha tipo modus in rebus nele o que levou o outro até a encostar-se na parede dizendo que estaria protegendo o seu!
Momentos obscuros da cultura nacional.
Tristes episódios da inteligência pátria,muito pior do que aquele lastimável momento  de uma briga de rua entre dois camelôs no qual gritava para o outro:
- "Vá tomar no seu modus in rebus".
E o outro colérico e contido pela população, repetia :
- É seu otário, eu já comi muito o da sua mãe, seu safado!
Quanto desconhecimento e baixaria e por esta razão, o valor incomensurável desta nossa pesquisa, para todos.
Esperamos estar contribuindo,portanto para a sedimentação da nossa verdadeira vocação de povo culto com estas nossas descobertas  assim como o fizeram , Machado de Assis,João Guimarães Rosa, Cecília Meireles entre tantos outros.
Simples não é? Modus in rebus quer dizer que deverá haver medidas nas coisas e  moderação.
À partir de hoje meu amado povo brasileiro quando alguém souber que sua companheira o está traindo com o vizinho ou seu companheiro ao qual você sempre se orgulhou dizer que é fiel , na realidade descobriu que ele da ré no quibe, ou seja, é uma boneca despudorada,tenha calma, moderação,respire fundo,recite muitos mantras e acima de tudo muito, muitíssimo, modus in rebus.
Aproveite até desta nefasta situação o que de melhor ela tiver e com muita moderação pegue,por exemplo o quibe e faça um belo prato com cebola,pasta de grão de bico e regado com muito azeite!
Este é apenas um pálido exemplo do que, sua criatividade baseada no modus in rebus poderá ser capaz de mudar definitivamente sua vida, tanto nos  modus e principalmente, na preservação do seu rebus.
Mas, apesar de toda esta discussão filosófica , etimológica e cultural é sempre bom ficarmos atentos também, no nosso dia-a-dia para este secular dito popular: Rebus de bêbado não tem dono!
Já pensou se de repente fazem uma nova reforma ortográfica?
Quer que eu minta?



PERMITAM SAIR DO HUMOR HOJE.



                                                                         



Salve São Jorge para quem é de São jorge, Salve Jorge para quem é guerreiro, Salve Jorge das tradições africanas, Salve Jorge padroeiro da Cavalaria do exército brasileiro,dos escoteiros,da Policia Federal do Rio de Janeiro e de países como Portugal e Inglaterra.
Enfim ,Jorge para todo os gostos e sentimentos!
Salve este  simbolo de guerreiro no momento que uma quadrilha montada nas suas mulas de roubalheira,cafajestes e canalhas brasileiros entre eles políticos malfeitores e patifes e empresários canalhas que vendem e negociam as próprias mães para ganhar uma concorrência de uma obra de onde irão roubar bilhões do povo brasileiro, da saúde, educação,enfim...
E estes partidos políticos espúrios de cafetões do Brasil devem ser extintos e criados outros que representem o nosso orgulho de sermos brasileiros.
Espada de Jorge, o Guerreiro que haverá de enfiar goela à dentro e que deverá derrotar  estes patifes,ralé da nacionalidade brasileira,gentalha desqualificada que depois de pegos em delito flagrante optam por delações premiadas e fazendo pose de vitimas enganadas para não  apodrecerem nas cadeias como deveriam apodrecer, junto com estes políticos moleques e infames  que, fingem não ter resistidos aos bilhões oferecidos por esta classe de empresários malditos que, juntamente com os nossos piores governantes levaram a bancarrota a nação brasileira.
Empresários e políticos malditos!
Quem é pior do que quem, ninguém sabe, até que ponto estes corromperam aqueles ou aqueles corromperam estes?
E o mais abominável é ver estes velhacos de cabeça branca babando nas gravatas com suas próstatas hiperplásicas e quase degenerando em doenças piores de consequências fatais e que deveriam estar cuidando de netos, empresários e políticos caquéticos falando como verdadeiras vitimas nas delações premiadas exibidas durante horas em jornais à nível nacional, o que ninguém  aguenta mais.
Políticos e empresários malditos terão na espada de Jorge, o Guerreiro a resposta por terem sido os traidores maiores da pátria deste a grande traição de Joaquim Silvério dos Reis o delator de Tiradentes.
Goelas largas, mãos podres e consciências despudoradas.
Prisão de muitíssimos anos para estes empresários delatores e os políticos vagabundos.
Cristo,filho do Deus poderoso,olhai por nós!

AS COMPANHEIRAS QUEIXAM-SE DO DESEMPENHO SEXUAL DOS SEUS COMPANHEIROS.



                                                                               




O blog HUMOR EM TEXTOS , nunca teve a pretensão de ser consultório sentimental, mas em função das centenas de e-mails que temos recebidos sobre uma enxurrada de prevaricações conjugais na área sexual que ocorre atualmente,estaremos respondendo a alguns destas aflitas e mais prementes solicitações:

-MARTHA MENDOLINA DA SILVEIRA- TIJUCA -RJ

Paulo,sou casada há 36 anos e de uns três anos para cá meu maridão só comparece para a prática das deliciosas conjunções carnais de seis em seis meses, sendo uma  Terça-feira Gorda de carnaval e a outra, no Dia de Santo Antonio e, mesmo assim, quando faz queixa-se bastante desta "obrigação" indesejável!
Poderia me ajudar?

-MARTHA, na sua missiva ( êta termo antigo) eletrônica você me deu duas pistas interessantes.Uma sobre os dias destas escassas e minguadas relações sexuais:Terça feira-Gorda.Mande um outro e-mail dizendo quantos quilos está pesando.Por favor, faça isso!Não estou garantindo mas seu marido pode ter escolhida esta data como o Dia Semestral do protesto através de uma mensagem subliminar para você!
E o outro dia o de Santo Antonio o "Casamenteiro" e isto nos leva a pensar que ele continua protestando pois, no período colonial as imagens sacras de madeira eram ocas para serem usadas no contrabando de diamantes, ouro e outras pedras preciosas.Ele certamente está inconscientemente querendo dizer que, está fazendo "contrabando" traindo você e que  para você o pênis dele está tão oco quanto os dos santos dos contrabandistas da história.
Meus respeitos e espero seu honroso retorno.

                                                                 



PERCIVALDA PRIETO- BELO HORIZONTE- MG.

Meu estimado Paulão, sou sua seguidora antiga.Objetivamente :Minha relação sexual com meu marido está acabada,Faço de tudo para apimentar as relações e tenho me fantasiado de bruxinha com as coxas à mostra, enfermeira com a bunda oferecida, policial militar feminina com o cassetete em punho e uniforme sem sutiã, mas ...nada!!! Não acontece sequer o menor impulso da parte dele e na maioria das vezes ainda enconde a cabeça debaixo do travesseiro.
Por favor, uma análise.
PS.Vive me perguntando se maquiagem sai com facilidade!

PERCIVALDA ,tente novos modelos de fantasias, pode ser que você esteja errando é na criatividade.Sugiro que você tente uma fantasia de Gladiador romano e faça enchimento na sua calcinha com uma toalha para parecer que você tem o que não pode ter.Entendeu?
Fantasia de Hércules com aquele corpão invejável e uma lança enorme apontando para ele,grossa e vermelha bem extravagante, pode ser outra opção.
Quem sabe?
Agora eu só estranho é de que seu marido não tenha agarrado o cassetete daquela policial militar mencionada, pois, meu diagnóstico é de que, seu maridão está gostando agora é de outro tipo de fruta.
Faz parte!
Quer que eu minta?

                                                           
                                                               







A GOSTOSA EX- AMANTE DO DOLEIRO ALBERTO YOUSSEF.



                                                       


Taiana Camargo, que entre 2010 e 2014 foi amante do doleiro Alberto Youssef, figura-chave no esquema de propinas da Petrobras e preso em carceragem federal desde março, em consequência de investigações da Operação Lava Jato, nunca mentiu para o Brasil.
Na maioria das fotos nas quais pousava nua fazia a clara exposição de muitos dólares , seja, para encobrir-lhe as suas partes pudendas, intimas, genitais, ou simplesmente porque uma enxurrada de dólares sempre a acompanhava.
Só não que a não brasileira jamais se perguntou:
-"Mas, porque os dólares e nais reais?"
Ficamos tão encantados com a exuberância daquilo que envolvia aqueles maços de dólares que nem estávamos aí para isto, porém ela sinalizava de forma muito aberta e bota duplo sentido nisto, que ninguém poderá acusá-la de não ter mandado o seu recado.
Taiana colocava os dólares, generosamente doados pelo Youssef, escondendo exatamente na parte do seu corpo com o qual ela os ganhava.
Tipo,"toma lá e dá cá"!



E no seu leito de prazeres abundavam também aquela fartíssima matéria prima com a qual o doleiro empanturrava sua ex-amante que, lhe retribuía com o maior amor que um ser humano poderia doar ao outro , numa verdadeira contrapartida de afetos e o escambau.
Coisa pura,purissima, resposta honesta  do seu  coração flechado pelo doleiro galã!

                                                                     
                                                  
E muito antes daqueles políticos corruptos ficarem carregando dólares na cueca, nossa eterna musa, processada agora pela operação lava-jato, já indicava como eram transportados os seus ambiciosos milhões pelos quais tinha suado muito para obtê-los, principalmente quando o ar-condicionado do seu leito de prazeres, quebrava.
                                  
    
E qual a reação daqueles mais entusiasmados admiradores ?


                                                               
E como foram centenas de comentários, cada um mais empolgado do que o outro, fomos logo ao "states" saber a revoltada opinião do Trump e que, não se fez de rogado em botar logo tudo pra fora, em tom raivoso e bem ao estilo dele.

                                                                   


                                                          
                                                             
                                                                      


O REPULSIVO ODOR DE NAFTALINA



                                                               


Das coisas antigas que me lembro, são aqueles bondes que faziam a alegria dos estudantes caronas e o trabalho insano dos cobradores correndo atrás da garotada para pagarem as passagens quando eles pulavam dos estribos.
Nestes maravilhosos e romanticos meios de condução tinham aquelas propagandas maravilhosas do tipo:
Veja, ilustre passageiro, O belo tipo faceiro/que o sr.tem a seu lado/mas,no entanto acredite/Quase morreu de bronquite/Salvo-o:Rhum Creosotado.
                                                                  

E também todas as mulheres do mundo tinham duas poções mágicas e de absoluta confiança para o excesso,falta ou escassez naqueles dias nos quais era necessário estar prevenida com aquele remédio, verdadeira panaceia dos males femininos, naqueles tempos idos de tantas décadas atrás.
                                                                      

Tempo antigo no qual, muitas mulheres, se orgulhavam de ter um cafetão ao qual sustentava e geralmente era por ele espancada para aprender que mulher tinha que servir, ser submissa, respeitar seu macho, e quando quisesse o seu amor teria que comprá-lo.
Época sombria desta sociedade na qual só tinham grandeza, os bondes e os seus anúncios muito saudosos.
Evoluimos, que bom chegaram as feministas, puseram a casa em ordem,lutaram durante décadas por sua emancipação, conquistaram o mercado de trabalho, se impuseram perante uma sociedade na qual só lhes era reservado comentários que diziam que lugar de mulher era na cozinha, ou num belo tanque cheio de roupa para lavar e outras teses da misoginia , a repulsa, desprezo ou ódio contra as mulheres. Esta forma de aversão mórbida e patológica ao sexo feminino está diretamente relacionada com a violência que é praticada contra a mulher.
Infelizmente, ainda hoje!
Porém, a luta da sociedade como um todo é de reprovação a tudo aquilo que possa colocar a mulher numa posição subalterna em qualquer tipo de situação.
Mas, quando tudo parecia estar caminhado bem, no Dia Internacional da Mulher o Presidente da republica federativa do Brasil entorna o caldo e coloca a mulher no seu lugar mais primitivo e superado dos últimos 70 anos no mundo ao vociferar com ar machista:
"Tenho absoluta convicção, até por formação familiar e por estar ao lado da Marcela , do quanto a mulher faz pela casa (TAMBÉM), pelo lar (TAMBÉM). Do que faz pelos filhos(TAMBÉM). E, se a sociedade de alguma maneira vai bem e os filhos crescem, é porque tiveram uma adequada formação em suas casas e, seguramente, isso quem faz não é o homem, é a mulher (TAMBÉM)". 
Pronto,Sr.Presidente, ao colocar o meu "TAMBÉM", prestei a devida correção ao seu desastroso discurso e, por ter feito isto, não quero nenhum cargo em seu governo.
Sou alérgico a estas antigas  bolinhas de naftalina!