MEDICINA DO PRAZER.












Conheci uma boa médica. Até pensei que fosse muito esparadrapo para o meu curativo. Conversa vai, conversa vem e já estávamos no seu apartamento.

Trocou o elegante jaleco de linho branco por uma sedutora lingerie preta. Um som, pouca luz e uma atmosfera propícia para uma demorada consulta sem estetoscópio !

Que corpanzil. Não era grande. Era perfeito! Oh, o amor é lindo! Este é o tipo de mulher que jamais se preocupa se os homens irão ou não propiciar-lhes generosas e demoradas carícias,ao contrário de muitas outras que, chegam a fazer até passeatas em vias públicas, levando multidões a Praça da Sé ou a Candelária em comícios feminista pró-preliminares.

Aquele mulherão sabe que ninguém irá poupar-lhe uma extenuante preliminar. Seria o mesmo que pescar sem anzol. Coloquei-me a seus pés com humildade e o menor vestígio de machismo. Exorcizei qualquer possibilidade de ejaculação precoce, mantendo a idéia fixa na imagem do Paulo Maluf, nu na cadeia, dizendo-se inocente.

No entanto, durante uma das minhas mais irretorquíveis performances e uma empolgação de deixar comissão de frente de escola de samba com inveja, ouço um sussurrar rouco e quente, que dizia:

- Explore mais meus corpúsculos de Meissener. Não entre em estado de detumescência. Coisa gostosa! Hoje não vou ter dispareunia. Como é lindo o seu membro. Nenhum vestígio de doença de Peyronie.

-Epa! O que está acontecendo?- Inquiri, abandonando o parque de diversões.

-Amor, não pare - ela insistia, lamuriosa.

-Já parei! - disse e fazendo aquele beicinho infalível de homem carente.



Olhamos demoradamente, um nos olhos do outro. Seu rosto era um misto de decepção e culpa. Lágrimas verteram do seu verde olhar. Sua beleza então se tornou mais exuberante e sofrida. Resolvi partir para o diálogo:

-Você falou sobre doença de Peyronie no meu membro?

-Desculpe, eu estraguei tudo;

-Eu tenho ou não, este troço no meu membro?

- Não. Eu disse que era lindo e não tinha nenhum vestígio;

-E porque você falou nisso, logo naquela hora?

- Em geral os homens apresentam sempre alguma nuance da doença de Peyronie no membro;

-Mas que diabo é isso? Se não tenho, porque precisava falar. É alguma tara?

-Uma besteira. Desculpe, meu provedor gostoso!

-Não,agora explica o que é isso.

-Depois. Vamos continuar...

-Não. Que doença que eu não tenho e você falou, gratuitamente?

-É a fibrose da membrana albugínea que reveste o corpo cavernoso, determinando uma curvatura do eixo do pênis.

-Curvatura do eixo do pênis?

-Amor, o pênis fica torto para um dos lados e meio curvado...

-Parece que bateu de frente? Fica com a carroceria fora do centro e andando de lado? (risos);

-Seu bobinho, é isso mesmo. Dá para quebrar o galho e até operar;

- Ainda bem. Dá para fazer uma lanternagem. E a tal da "detumetendo"?

-Não é detumetento (mais risos).

-Você falou no meu ouvido para que eu não entrasse em estado de detumetendo;

-Estado de detumescência! -corrigiu rápidamente.

-E daí? Eu tô no maior rala e rola, querendo nota dez na performance e de repente você enfia esta coisa no meu ouvido;

- Foi mal!

-Dá pra explicar?

- Detumescência e a redução da inchação dos corpos cavernosos, quando o pênis retorna à condição de flacidez.

-Amolece?
-É.


-Você notou que eu estava broxando?

-Não, pelo contrário...

-E porque falou?



-É por causa deste meu vício profissional, incorrigível de análise diagnóstica,amor.




-Escuta,minha gostosa, quando você tirar este jaleco, deve também tirar da cabeça estas coisas,e mostrar só seus melhores argumentos cientificos e anatômicos.



E depois, ainda falou daquele tal de corpúsculos...

-De Meissner?

-E eu com isso?

-Eu pedia que você explorasse bem meus corpúsculos de Meissner. São corpúsculos da pele responsáveis pela percepção do tato...

-Porque não pediu em português normal,tipo: amassa, morde,arregaça, vai fundo e me chamando de garanhão dominador?

-Pois é, estava tão gostoso, meu amor. Você realmente caprichava naquelas preliminares que nós adoramos. Aí estraguei tudo, com aquele palavreado que lhe assustou. Esquece.

-Ainda não. Você fala estes tsunamis no meu ouvido, agora explica, pois, soou como um soco na minha trompa de Eustáquio.

- Dispareunia é quando a mulher na hora do coito sente dor.

- Dor?

-É uma doença. Eu disse que não ia sentir dispareunia desta vez.

-Ainda bem, afinal nós viemos aqui para sentir prazer ou dispareunia?

-Pois é agora vamos voltar para aquelas maravilhosas preliminares que você estava me proporcionando seu desbravador. Só falta o ponto G!

-Tudo bem, mas lhe peço um favor doutora: Em homenagem a Hipócrates, fica só gemendo. Tá certo?

-Prometo!

DISCUTINDO A RELAÇÃO.









Uma pesquisa feita na Grã-Bretanha com três mil pessoas indicou que os casais brigam em média trezentas e doze vezes por ano - principalmente às quintas-feiras por volta das 8h da noite, por dez minutos.



Não é coisa de inglês? Viram, a riqueza dos detalhes?

















E com certeza, deve ser as quintas-feiras porque começam a discutir a relação para o final de semana, mas cedo que nós os latinos, que elegemos a sexta-feira como o dia universal das bacurinhas assanhadas e dos cuecas de plantão latinos, cuja maioria não esta nem ai para as satisfações protocolares.


Metem o pé na jaca, mesmo, e depois esperam para ver como é que fica!


E só dez minutos de brigalhada?


Cara, eu tive uma namorada que para me fazer qualquer crítica ou “discutir nossa relação”, nunca falava menos do que as explicações que os homens em geral dão as mulheres para explicarem as razões de terem chegado às quatro da madrugada , em casa.


Haja criatividade e muito tempo para convencer, convencer, convencer...



Mas, esses ingleses são mais detalhistas que mulher se preparando para o primeiro encontro, mais precisos que relógios suíços e ficaria mais fácil eles dizerem logo o número de dias que não brigam durante o ano, o que não diferem muito da nossa cultura.


Fala sério!



No entanto, como já dizia Freud que: "Só odiamos a quem verdadeiramente amamos e não conseguimos alcançar”.



Na realidade,os casais vivem querendo alcançar estas utópicas felicidades ensinadas nestes pífios e enganadores manuais de auto-ajuda que, são sempre inalcançáveis até porque, quem os escreve sentem, vivenciam e sofrem das mesmas cólicas existenciais, do que o resto dos humanos.




Como consideramos as razões aqui citadas entres homens e mulheres inglesas, muito parecidas com as razões de todos nós, vale a reflexão sobe a matéria e pensar sobre isso!

O levantamento, encomendado por uma empresa varejista online de artigos e peças para banheiros, sugeriu que a esmagadora maioria das brigas se origina de motivos banais.



Afirmam que todos os casais brigam, sem exceção, mas ver o quanto eles discutem por causa de coisas simples, como as tarefas domésticas, nos faz abrir os olhos, pois é muito tempo perdido em bate-bocas, independente de quão irritante sejam os hábitos.



Tempo jogado fora!



E se as mulheres ficam mais frustradas com os hábitos dos parceiros, a pesquisa indicou que são eles que se separam, usando estes pretextos e em razão destas fúteis razões, ou seja uns tremendos mentirosos, pois , entre os latinos é mulher da rua que tira mesmo, os homens de casa.




Quer que eu minta?




Os hábitos que mais irritam as mulheres:


1. Deixar pelos na pia
2. Deixar a privada suja
3. 'Surfar' entre canais de TV
4. Não trocar o rolo de papel higiênico
5. Não abaixar a tampa da privada
6. Deixar as luzes acesas
7. Xícaras, latinhas , farelos e sujeiras no tapete e na cama
8. Toalhas molhadas no chão e na cama
9. Acumular roupas sujeiras e jogadas no chã0
10. Não dar descarga .



E os hábitos que mais irritam os homens:


1. Demorar, excessivamente para ficar pronta
2. Reclamar que ele não faz nada
3. Deixar as luzes acesas
4. Entupir o ralo do chuveiro com cabelos
6. Encher a lata de lixo além da capacidade
7. Deixar lenços de papel pela casa
8-Optar preferencialmente, por novelas ao invés de umas boas pegadas na alcova dos prazeres.
9-TPM.





Como se vê , lá como cá, homem é homem, mulher é mulher, abaixo ou acima da linha dos trópicos.





E "discutir relacionamento", não tem bandeira!

UM HOMEM DE PEDRA.

Wanda Maria era eternamente apaixonada por um homem piranha, galinha,devasso, e feito pizza dois em um: meio cafajeste e meio canalha.

Pior do que isso, diziam as suas amigas para ela, era morrer asfixiada no vácuo do espaço cósmico.

O que no entanto, elas não diziam é que ,a maioria que a criticava , já tinha deixado que ele brincasse nos seus parquinhos de diversões e feito uma bela faxina nos seus corações.

O nome deste cafajeste: Sidônio Rocha.

Era considerado uma verdadeira muralha da china quando o assunto era um compromisso mais serio com elas que o desejavam de forma ardente e às escondidas, pois, nenhuma delas aceitaria ser descoberta como um prato feito do Sidônio Rocha.

O cara era um homem de pedra, jamais deixava fisgar-se mesmo por aqueles peixões de arrebentar o fio do anzol.

Wanda Maria era entre as amigas dele a única que de maneira ingênua tornava público seu afeto por ele, pois afinal o amor é cego e algumas vezes , absolutamente ingênuo.

Existe uma teoria antiga que tenta comprovar que mulheres adoram homens canalhas e cafajestes e foi o premiado dramaturgo, jornalista e escritor carioca por opção, Nelson Rodrigues quem escreveu exaustivamente sobre isso, afirmando em tom sempre polêmico e provocador com um humor cáustico, existirem dois tipos de cafajestes e ambos com uma característica em comum ou seja, desocupados de carteirinha não- assinada, estando portanto,sempre à inteira disposição das mulheres.

O primeiro seria o cafajeste brando que é obsessivamente doentio naquilo que admite ser o fato de gostar de uma mulher.

Vive engendrando armadilhas para levá-las para a cama e pensa vinte quatro horas naquilo e como enganá-las, para obter-lhes o aquilo e o aquilo outro, entre os quais alguma remuneração direta ou indireta para sustentar-lhes as roupas da moda , os perfumes de odores vigorosos com os quais se banham literalmente, e como não podia deixar de ser, alguma cota pecuniária extra, para o feijão nosso de cada dia.

O cafajeste brando é, também aquele que abre a porta do carro para a mulher,dependendo de quanto precisa para sobreviver naquele mês, manda-lhe flores e aumenta a assistência sexual à vitima, para deixá-la ainda mais extasiada e entregue às suas estratégias amorosas e de resgate financeiro.









Já o outro tipo de cafajeste , o clássico, é bruto e agressivo, trata a mulher como algo menor, a humilha para subjugá-la e usa até de violência para dizer quem manda realmente, naquele terreiro, faz um tipo de marginal repugnante e indesejável, mas tem o seu público.

Parece que estes comportamentos masculinos imprevisíveis, acompanhados de certo glamour machista e de cafajestes, ainda hoje, encontram terreno fértil entre os canteiros das carências de algumas mulheres que além de gemerem entre gritos e sussurros ainda pagam caro por estes excepcionais e competentes machos de alcova,qualidade esta que aniquila com qualquer resistência feminina.

Wanda Maria , nem via Sidônio Rocha por este ângulo pois, o amava um amor romântico e queria ir com ele para o altar, já tinha escolhido a igreja, os padrinhos,o modelo do vestido de noivas, aquele bolo de quatro andares e o local para lua de mel e só faltava comunicar todas estas fantasias a ele,atitude esta que por sinal, não a encorajava nenhum pouco.

O homem de pedra , aquela rocha, parecia inexpugnável, inatingível, impossível de ser domado, enfim um caso perdido.

Um dia Wanda Maria teve fortíssimas cólicas renais diagnosticadas pelo médico como pedras nos rins.

Tomava medicações e nada, até que uma velhinha rezadeira da vizinhança ao visitar-lhe receitou-lhe chá de quebra-pedras, como um santo remédio.

À principio duvidou , mas já tinha tomado tanta droga que mais uma, menos uma, que diferença poderia fazer, e durante alguns dias encheu a cara do tal de chá de quebra –pedras.

Dito e feito expeliu todas as pedras, fragmentadas e quase que sob a forma de uma fina areia.

Tal fato lembrou-lhe que, se o chá quebrava realmente as pedras dos rins , quem sabe quebrasse também, o temperamento e o coração rochoso e petrificado daquele contumaz cafajeste o Sidônio Rocha?

Vejam quanta imaginação e o que pode a força do amor desencadear de fantasias no ser humano!

E numa das visitas que ele a fez por cortesia mas, francamente de olho naquele corpinho gostoso de Wanda Maria, ela aproveitou o calor intenso daquele dia e misturou chá de quebra pedra a litros de mate os quais o Sidônio Rocha bebia com a fúria de um destemperado.

E começou a pedir para ir ao banheiro urinar, e o fazia toda hora até que Wanda Maria entrou no banheiro com ele e verificou que, o bendito chá tinha conseguido também quebrar o homem de pedra que lhe implorava com os olhos marejados de lágrimas sofridas, por um momento de amor verdadeiro, prometendo-lhe até casamento.

E logo naquela primeira relação,ao som de um bolero e ali mesmo no chão do banheiro, que ela engravidou.

O irreconhecível e quebrado Sidônio Rocha tinha virado uma geléia e fez absoluta questão de casar-se de papel passado com a Wanda Maria para “reparar-lhe os danos”, e hoje vive a cativar Wanda Maria e não desgruda nunca daquele filho que, ambos concordaram na pia batismal a chamá-lo de Walter Carlos, mas somente conhecido em todos os lugares pelo carinhoso apelido de WC.


E como diria nosso saudoso Nelson Rodrigues: É só!

CALDEIRÃO DAS OPÇÕES SEXUAIS.

Heterossexual, lésbica, gay , gay sissies, gay crossdresser, bissexual, homossexual, transgênicos, andrógenos, ecléticos, polivalentes, indefinidos, simpatizantes e o escambal.

Em que categoria você se enquadra?

Qual é a sua?

São tantas as opções, que já perdemos a conta e não culpo se você ficar confuso e ansioso por não querer errar , ficando então,antes de responder, pensando ,pensando,pensando...

Fala serio!

No entanto, a imensa maioria ainda é heterossexual.

Mas a heterossexualidade, creiam, está com os dias contados, pois numa avaliação sociológica mais aprofundada e comparando as atuais variáveis existentes e fazendo algumas projeções estratégicas , poderíamos afirmar que o ser humano deverá ser hiper-ultra- mega flex, em termos de opção sexual, em futuro próximo

É uma projeção e estou apenas juntando peças de um grande quebra cabeça deste caldeirão sexual hodierno e jogando com as práticas da sociedade contemporânea sem, no entanto , estar aqui aplicando nenhuma metodologia de pesquisa cientifica, sendo absolutamente intuitiva esta minha afirmação.

Isto porque, ainda existem no Brasil, por exemplo imensas e díspares distorções dos comportamentos sexuais se analisados pelas nossas diversas realidades regionais , mas que estou convencido que daqui a algumas décadas irão incorporar-se aos padrões sexuais , hoje já aceitos no sul e sudeste maravilha.

Na realidade, o Sul e Sudeste maravilha do Brasil constitui-se numa grande suruba de tendências sexuais, porém no resto da nação algumas regiões ainda não embarcaram nesta e a regiões Norte e Nordeste são profundamente conservadora e algumas coisas, elo menos na teoria, são proibidas.

Prova de que este caldeirão das opções sexuais ainda não chegou aos locais mais conservadores da nação brasileira, pode ser constada pelos dados contidos na “Pesquisa Social Brasileira”, que se encontram no livro, “A cabeça do Brasileiro” do sociólogo Alberto de Carlos Almeida, o qual recomendo e vou logo avisando que, jamais vi esse cidadão na minha vida e portanto, não estou levando propina.




Neste livro o autor constata - sempre que a pesquisa inclui todos os estados brasileiros e, não somente, o Sudeste Maravilha - algumas das mais marcantes peculiaridades do nosso povo,quais sejam:

Nós aprovamos o “jeitinho brasileiro” em qualquer situação,não temos espírito público e talvez por esta razão o escritor mineiro Otto Lara Rezende dizia que o” brasileiro só é solidário no câncer”.

Constata ainda que somos contrários ao liberalismo social, a favor da censura, fatalistas extremados, defendemos a Lei de Talião do olho por olho dente por dente, e somos a favor da intervenção do Estado na economia e em geral não confiamos nos amigos.

E quanto à sexualidade , na prática a teoria é absolutamente outra e surpreendente , com relação aos itens:

-Beijo de língua : Não pesquisado. -Homossexualismo masculino : 89% contra.
-Homossexualismo feminino: 88% contra.
-Sexo anal : 74% contra.
-Sexo oral, masculino ou feminino : 60% desaprovam.
-Masturbação masculina : 40% desaprovam;
-Masturbação feminina : 44% desaprovam.

Este livro encontra-se disponível para pesquisa acionando-se o mecanismo de busca do Google.

CONSELHO DE MÃE.










Afinal o que é ser mãe? É desdobrar-se em afeto carinho e proteção àquele ser saído de suas entranhas, a divina fábrica de povoar a Terra?

Ser mãe é agüentar os choros, pirraças, caras e bocas daquele ser mínimo e tão lindo mas chatinho que rejeita alimentação, faz jeitinho de desesperado e bate pezinho querendo batata frita com ketchup, ao invés de sopinha pronta?

Mas afinal, o que é ser mãe?Não adianta perguntar pois, ela é a única coisa que não se define neste complexo e imenso universo humano.

E quando mãe diz para que os filhos não façam isso ou aquilo, e sim ,deste ou daquele jeito não é bom correr o risco de contrariar, porque mãe não acha,ela simplesmente profetiza!

Ou seja, filhos criados com mães que profetizam, são determinados a serem vencedores na vida e ao cumprirem e seguirem suas orientações, estariam provando que são inteligentes , pois, ninguém a não ser as mães vêm melhor os caminhos para os seus filhos.

É bobagem, lutar contra esta incontestável verdade.

Tereza Helena é uma filha que segue à risca as sábias listas de orientações da mãe.

Tornou-se uma menina feliz, educada,admirada por todos e no auge dos seus dezessete anos, conheceu Priscilo Mauro, o verdadeiro encanto dela e das suas coleguinhas, uma espécie de gostosinho do colégio em que estudavam.

Só depois de algumas semanas vieram a trocar salivas e suas amigas achavam que estava maluca, porque não logo, porque esperar tanto?

-Que coisa mais antiga, diziam as suas amigas revoltadíssimas.

Tereza Helena, pouco ligava os comentários e seguia as ponderadas recomendações da mãe.

Os primeiros amassos vieram somente alguns meses depois e Priscilo Mauro achava que aquilo era praga dos seus amigos, pois Tereza Helena era irresistível e não cedia , nunca!

E amaram-se desesperadamente à seco, sem sexo verdadeiro, a não ser algumas perfumarias, superficialidades e filigranas que irritavam mais do que satisfaziam.

Aquilo, naquilo? Nunca!

Porém,os dois ficaram apaixonadíssimos e todo mundo sabe que a mulher quando quer dar é igual à água de morro abaixo e fogo de morro acima, ninguém segura!

O pobre Priscilo Mauro definhava a cada dia, tanta testosterona nas suas veias que ele parecia um kamise enlouquecido, e aí decidiu dar uma decisão na Tereza Helena, antes que explodisse.

-Amor eu não agüento mais e vou deixar tudo e virar gay se você não fizer sexo completo, total e irrestrito comigo.
-Gay? Você tem certeza?
-Tenho, vou virar gay, nenhuma mulher mais me interessa...
-E vai desfilar também na Av. Paulista?
-Sim, e fantasiado de Penélope charmosa...

Tereza Helena ensaiou uma gargalhada, mas recuperada e respirando fundo respondeu:

-Está bem, mas preste bem atenção Priscilo Mauro, minha mãe sempre disse que eu só deveria dar na hora absolutamente,certa e como nunca contrariei os conselhos dela eu estarei esperando você lá em casa, amanhã dez e dez em ponto,pois ela estará trabalhando.

-Oh, meu amor, eu nem acredito, que bom, que bom, que bom...

Despediram-se e no dia seguinte Priscilo Mauro, tocou a campanhinha do apartamento da Tereza Helena e lá de dentro ouviu-se a voz dela dizendo?

-Nós marcamos dez e dez e não, onze e vinte. Lamento, mas eu te avisei que minha mãe mandou que eu só desse na hora certa, e você está completamente atrasado.

-Não acredito,você enlouqueceu, vou me masturbar aqui, mesmo - retrucou Priscilo Mauro e já abrindo o zíper da calça.

-Problema seu, mas não esquece de limpar bem o chão- respondeu e calando-se.

SONHO LATINO: A VERDADE!







No tradicional bairro do subúrbio carioca de Ramos, vamos encontrar o casal Florêncio, ambos com mais de setenta primaveras vencidas e a esperança de viverem ainda, muitos outros carnavais.

Ele Florêncio Adamastor , ela Lucia Maria que cresceram juntos, estudaram juntos,e procriaram uma verdadeira ninhada de nove filhos de um relacionamento que já ultrapassou meio centenário.

Casaram-se muito jovens, pois ela sempre despertou nele um apetite voraz e incontrolável, tornando-se premente a necessidade de um enlace matrimonial rápido para uma colheita generosa dos seus frutos.

Lucia Maria, e os seus lábios grossos, olhos verdes encantadores, pele dourada coberta de cabelinhos aloirados tipo pêssego, seios atrevidos e sempre acesos, coxas perfeitas e nádegas arrebatadoras , eis alguns dos quesitos nota dez daquele desfile de escola de samba campeã das fantasias sexuais do Florêncio Adamastor.

Ela conheceu o maridão num lugar que frequentava muito, a principal padaria do bairro na qual, sempre ia comprar sua atração de consumo preferida : Sonhos!

Era na época uma criança absolutamente viciada neles, fossem aqueles recheados de creme de baunilha ou de doce de leite.

E Florêncio Adamastor a seguia exatamente, como as moscas daquela padaria sobrevoavam aqueles deliciosos doces.

Oh, os sonhos pelos quais Lucia Maria era perdidamente apaixonada!

E foi exatamente, nestas tentações que Florêncio Adamastor em priscas eras, foi buscar inspiração e uma rara estratégia de aproximação que lhe propiciaram as armas afetivas infalíveis para abater o coração daquela menina sensual, utilizando-se do mesmo virtuosismo e aptidão semelhantes aos dos raros artistas e seus malabarismos impecáveis de um gran finale do Cirque du Soleil.

Florêncio Adamastor de forma poética e seguindo os hábitos conservadores de antigamente, escreveu em papel de pão e entregou à saída da escola onde estudavam, para sua menina morena, a provocante pergunta, se ela queria namorá-lo , assinando abaixo: “Seu sonho latino”.

Essa criativa estratégia utilizada por aquele filhote de búfalo no cio e aspirante a predador masculino explodindo em testosterona com muitas espinhas no rosto, era a prova incontestável de que até os meninos com muito tesão, também pensam!

Lucia Maria ao bater os olhos naquela mágica senha da palavra sonho, até nem deu bola para o latino que vinha depois, encheu logo a boca de desejo e Adamastor Florêncio encheria a barriga dela de continuados estados de gravidez como se fosse uma doença crônica.

E na solenidade do casamento quando o padre fez a clássica pergunta se eles concordariam viver juntos até que a morte os separasse, ela rapidamente respondeu sim, e balbuciou sorrindo para o noivo:

- Só não pode, é o recheio deste sonho, azedar!

E se isto até hoje não aconteceu para o casal é porque, dependendo do tipo e da natureza das necessidades de cada um, a verdade de qualquer sonho pode contaminar nossa mente de idealismo ou simplesmente, deixar-se contaminar pelas moscas da padaria.

Sonhos diferentes!