O SEGREDO DO HOMEM MAIS CALMO DO MUNDO.

                                     
 
                                         
   


















Salofena Maria, filha de uma conservadora família de Bangu, subúrbio do Rio de Janeiro, era mulher que fora treinada, em tempo idos, para ser uma esposa devotada, mãe exemplar e dona de casa que se virasse mais do que frango assado em forno de porta da padaria, para manter as coisas em ordem e tudo sob controle no seu lar.
Quatro filhos em idade escolar e feitos um atrás do outro com muito amor e carinho por aquele casal procriador por excelência, ele um caixa de banco, ela uma professora primária que, nunca chegou a exercer a profissão.
Sobrava naquela casa muito trabalho e pouco dinheiro para manter aquela bagunça que Salofena Maria, apesar de sua bravura e dedicação, não podia fazer melhor e, por esta razão vivia sempre sob as acusações descabidas e injustas de Deoclécio Mauro um sôfrego e estressado homem que só via dinheiro, quando começava a trabalhar no banco ou imaginava o que tinha dentro daquelas caixas eletrônicas da sua agência, isto quando também, elas não estavam arrombadas, como ele!
Para variar, Salofena Maria era mais agitada que minhoca em areia quente, faladora compulsiva e Deoclécio Mauro quase um vodu sempre cansado e com olheiras explícitas, calmo por necessidade de sobrevivência, mas mesmo assim, as brigas eram constantes.
-Escute aqui, “Mormaço” – assim ela chamava seu calmíssimo esposo – acabou o gás do fogão, entupiu a pia da cozinha, queimou a resistência do chuveiro elétrico do nosso banheiro, não tem macarrão, óleo, feijão, as crianças precisam de sapatos para ir à escola, e minha mãezinha vem passar uns meses aqui em casa, pois, está deprimida e já tentou o suicídio, duas vezes na semana passada. Temos que comprar cama e armário para ela! Não vou abandonar minha mãezinha, nunca, portanto mexa-se! – foi logo comunicando Salofena Maria.
O maridão vivia escutando estes tormentosos problemas e que eram diários, sempre de pé e com a mão no bolso, numa atitude pacífica, apesar de estar constantemente, resmungando e reclamando “civilizadamente” da mulher, parecendo querer esconder a mão nos bolsos, para que não houvesse dúvidas de que ele jamais as usaria para bater na esposa.
Deoclécio Mauro era, além de calmo, um pacifista nato e, por esta conduta assemelhada a uma estátua de praça pública, irritava muito sua espavorida e inflamada mulher que sempre terminava qualquer reivindicação quebrando algum prato ou objeto doméstico assemelhado.
E respondeu o marido:
-Fique tranqüila, tudo será resolvido na paz e sem motivos de desesperos.
-Você sempre fala isso, “Mormaço” e nunca resolve nada.Lembra que o telhado está todo quebrado e quando chove é uma pingação danada aqui dentro de casa, há mais de dois anos?
-Vou consertar... Tenta reagir Deoclécio Mauro.
-Vai nada, sempre com essa mão no bolso parecendo um paspalhão. Cara estou ficando muito nervosa com isso tudo, estou me sentindo despentelhada com tantos problemas.
Despentelhada ouviu?


E neste momento, Deoclécio Mauro, ao ouvir aquela palavra mágica, puxou violentamente o último fio de cabelo que ainda restava lá por baixo na sua sofrida região pubiana, pois sempre e a cada discussão com a Salofena Maria ele, com mão no bolso, parecendo estar absolutamente calmo, estava na verdade arrancando e vigorosamente, um por um daqueles seus sofridos e cada vez mais escassos pêlos pubianos, até que agora, finalmente não sobrara mais nenhum.
Triste segredo!



6 comentários:

Mirtes Stolze. disse...

Boa noite Paulo.
Os problemas dos menos favorecidos o dinheiro é a solução rsrs,mais fácil,e os dois ricos,que vive o tempo todo subsaturados,no mundo agressivo,que não se contentam em roubar,mais praticam o latrocínio por prazer de matar,que deixam os filhos na escola,sabendo que as drogas são oferecidos como lanche,que os próprios empregados podem ser maginais,a vida não é fácil para ninguém,só Deus é a proteção real,a paz duradora.
Gostei do texto,infelizmente a calma dele,era só de aparência rsrs,
Abraços.

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

As aparências enganam... Ele merecia uma depilação, pois a dor seria menor, em vez de arrancar um por um. Mas como iria arrumar dinheiro, se este todo era para a manutenção da família?
Texto ótimo, só pra variar.
Beijos,
Renata

PAULO TAMBURRO. disse...

MIRTES

eu diria que era uma calma a aparente e, cá entre nós , absolutamente sofrida!

Um abração carioca Mirtes.

PAULO TAMBURRO. disse...

RENATA,

a depilação, amiga virtual, iria anular o mágico recurso que ele tinha encontrado para enfrentar fio a fio, este mundo descabelado, no qual vivemos.

Concorda?


Um abração carioca.

sub helena disse...

Paulo, muito bom o texto. Para sorte de Salofena e da saúde mental do maridão Deoclécio, os pelos crescem, risos... Um abração carioca.

PAULO TAMBURRO. disse...

sub helena kkkkkkkkkk.

Um abração carioca.