RADIALISTA NERVOSINHO.


Quem de nós, já não sintonizou um dia uma rádio na qual , o programa era de atendimento às reclamações sobre buracos os mais diferentes em diferentes ruas , praças, avenidas, ou aquela maldita falta d'água geral ou restrita nesta ou naquela área e ainda,  por um apagão de energia elétrica inclusive, na justa hora de um esperado jogo de futebol ou do último capitulo daquela novela que ficou seis anos,onze meses e vinte e nove dias no ar?
O rádio que muitos esperavam fosse acabar e enterrar seus ossos com o advento da televisão, continua até hoje presente nas nossas vidas e agora, como um robusto e eficiente canal de reclamações , pela sua capacidade de instantaneidade e efetiva presença em qualquer lugar, cobrindo os fatos com muita velocidade.
Porém, esta maravilha eterna ,verdadeira ponte entre o público e as autoridades em geral, encontra por vezes radialistas que , naquele dia não acordaram bem ou sua companheira quem sabe , tenha dormido de calça jeans e para sacaneá-lo, ainda mais, de olhos escuros, para ter a absoluta certeza de que, nem no escuro veria o vulto dele. Nestas noites as mulheres sofrem aquele apagão geral!
Então, logo às seis horas da manhã aquele sofrido radialista e não menos nervosinho e irritadiço pelas razões intoleráveis descritas,começa a ouvir novamente aquela ladainha chata e diária de que está faltando isso, faltando aquilo, faltando tudo!
-Bom dia ouvinte, qual a sua reclamação, Abertolina...É este mesmo seu nome?
- Querido Francobelo, é esse mesmo, adoro seu programa, não perco,ouço diariamente.
-Obrigado Abertolina, fico feliz apesar de ter passado uma noite terrível!
-Posso saber o que houve?
-Não sua fofoqueira, vamos ao seu problema e deixa o meu de lado,faça sua reclamação.
-Está com pressa, Francobelo?
-Não, mais temos na linha quarenta e nove outras pessoas querendo reclamar,reclamar, reclamar.Pô que que saco!
-Olha  Francobelo aqui na minha rua, está faltando água há oito anos anos e nenhum órgão de governo deu jeito.E para o seu programa eu mesma, já telefonei e participei mais de cinco vezes e... nada!
-E porque voltou a me procurar Abertolilda?
-Abertolilda não, é Abertolina...
-Sim, entendi, mas se nem o meu programa resolveu é você deve então estar mais fedida do que gambá em dia de feira com barraca de peixe na porta da sua casa.Estou sentindo daqui...
-O quê? 
-Fedendo, Aberta!
-Aberta não, seu safado e onde está a sua educação?
-Está em falta também, sua chata e safado e porco é o seu marido.
-Como assim, seu abusado?
-Pô oito anos sem água e continuam juntos e morando nesta pocilga?
-Na pocilga, mora sua mãe,e sua mulher deve ter dormido de calça hoje, adivinhei nervosinho histérico?
-Você dever ser vidente, mas estava muito cheirosinha diferente de você! E tchau sua ingrata ,vai procurar outro programa em outra emissora.Vamos ao nossos comerciais,CACETE!!!


2 comentários:

sub helena disse...

Paulo,
Tadinho do Francobelo, tantas reclamações e ele não tem para quem reclamar... Tinha que dá nisso mesmo, crise de nervos, risos.
Amigo, risos à parte, prefiro rádio a televisão, saudades daqueles programas de qualidade, são poucos, ainda existem uns por aí e também adoro escutar futebol pelo rádio, traz lembranças bons da minha infância... A televisão chegou em minha casa, quando eu tinha uns 10 anos, e o rádio, sempre foi a estrela, posicionado no centro da sala, sentávamos todos ao redor, em dia de clássico no maracanã, apenas o som da narrativa, atentos, esperando o gol... Era um evento familiar... Amigo, gostei.
Um abração carioca!
sub helena.

PAULO TAMBURRO. disse...

sub helena,

temos passado nas mídias radiofônicas e televisivas bem semelhantes.

Agora você já imaginou o cara acordar depois de um noite de cão , e as 5 horas da matina aguentar os caros ouvintes fazendo reclamação, reclamação, reclamação...

Saco! (rs)

Um abração carioca.