SOBRE HOMENS,MULHERES E MOTÉIS.











No acasalamento humano, o motel é um fato muito recente.Priscas eras, eram nos muros, nas escadas dos edifícios, no escurinho dos cinemas e depois, com a popularização dos carros que serviam como alcova dos máximos prazeres carnais.Os carros pequenos exigiam malabarismos inacreditáveis.Uma perna na janela, o rosto imprensado no vidro, e aquele maldito cabo da mudança que por vezes nos causavam incômodos constrangedores. Fusquinhas, desgraçados! 

                                                           


Estou lhes falando de uma época romântica e na qual os homens para preservar a virgindade das meninas mentiam descaradamente, com a aquela velha estória de jurar que: "só iriam colocar a cabecinha".
Hoje, se um homem diz isso para uma mulher ela o deixa falando sozinho e ainda vai ao Procon, ou qualquer outro órgão (calma!) de defesa do consumidor dar queixa de propaganda enganosa e principalmente,de sonegação de produto.
Eram também, comportamentos típicos das meninas da época, antes de qualquer coisa dizerem: Não! 
E quando "cediam", muito parcialmente - e bota parcialmente nisto – alguns dos comentários mais freqüentes que elas mais faziam durante aquele supremo sacrifício, era ficar dizendo:
- “Eu não quero, mas se você quer, eu deixo, mas só um pouquinho”.

                                                       

Outra preciosidade:
- “Não, aí não”.
Às vezes a reação era mais contundente tipo:

- “Pede para fazer isto com a sua mãe!”.
E quando as coisas se consumavam de forma extracorpórea esta reclamação era inevitável:
- "Viu me lambuzou toda, seu nojento.Olha que porcaria ! Transbordou tudo".


Isto dito hoje, parece a época do primeiro voo de Santos Dumont.
Mudou tudo e ainda bem. A emancipação feminina e a proliferação incalculável de motéis criaram as condições modernas do namoro.
Porém, algumas mulheres que, frequentam motéis cada uma tem suas características e especificidades  próprias como, por exemplo:

A DETALHISTA
-Vej
a meu amor que espelhos enormes, este abajur que coisa linda! Nossa que piscina maravilhosa, e que telão tem esta televisão.Roupa de cama linda, cheirosa, tudo muito arrumadinho, dá até pena de desarrumar-diz admirando o ambiente.
Neste momento o cara ergue a voz e define o jogo:
-Mas nós vamos desarrumar e bagunçar isto tudo - afirma de maneira quase colérica, como um búfalo no cio.
-É lógico meu querido.Mas deixa-me ver este banheiro.Oh, coisa mais bonita.Muito bom gosto na combinação dos azulejos com o vaso sanitário. E que encanto estas toalhas bordadas, Olha aqui meu bem os sabonetinhos tem a forma das genitálias.Que criatividade!
E por aí vai.

É  preciso compreender que a detalhista em geral, não gosta de sexo e sim de decoração.

A COMILONA.
-Mô, pede aquele angu à baiana, especialidade da casa - suplica a comilona com ar de faminta.
-Mas agora? Ainda nem tiramos a roupa!
-Tudo bem queridinho, mais me deixa pedir logo uns petiscos para daqui uns quinze minutos.
-Quinze minutos, não!!! Pelo menos duas horas, pô. 

-Tá certo - concorda e sem problema.
Pega o interfone e começa o pedido;
-Olha meu amigo, além do angu a baiana com bastante miúdos, traga duas porções,duas não,três porções de camarões à milanesa, arroz maluco, uma generosa tigela de pasteizinhos de carne e queijo feitos na hora, salaminho fatiado, queijo prato cortado em cabinhos, presunto e manda fazer uma pizza calabresa, para mais tarde, não precisa ser muito grande, pode ser a menor das maiores.E não esqueça do pão de queijo e uma garrafa de vinho importado . Obrigado moço - Despacha com jeito de quem já vai retornar.



A LOCUTORA.

-Não meu bem, assim não, por aí, isso vai, vai mais, não, não pára, um pouco mais para o lado, este lado não o outro, assim fica assim, que bom.Agora me deixa ir, abaixa mais, um pouco mais, devagar, sem pressa queridinho, cuidado vai cair da cama, tira aquele elefante da cabeceira, isso beija aqui, ali, agora mais aqui, morde devagar, aí estúpido, eu disse devagar. Continua, continua. Tô chegando, tô chegando, assim, ohhhhhhhhhh! Pagou o cartão de crédito?
Realmente, ninguém aguenta.Os motéis são excelentes alternativas, mas um serviço que deveria ser obrigatório além de na saída dar bombons, era na entrada um exame psicotécnico na clientela.





4 comentários:

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO disse...

Muito bom, meu amigo. Como os pontos de vistas e as exigências são diferentes entre homens e mulheres.
E você os explicou muito bem.
Belos dias* Beijo*

PAULO TAMBURRO. disse...

RENATA MARIA PARREIRA CORDEIRO,

atualmente amiga, fico absolutamente satisfeito e recompensado quando consigo explicar qualquer coisa, nesta bagunça generalizada em que vivemos.

Um abração carioca.

Cynthia Lopes disse...

Paulo, faz uma eternidade meu amigo!
rsrsrsrs...
Estou em falta com muitos por conta do tal
"facebook", (vc deveria fazer uma crônica sobre isso).
Adorei o texto, embora tenha ficado no, compreensível, ponto de vista
apenas masculino, me desafiando a fazer o oposto.
kkkkkkkkkkkkkkkkkk
bjs

PAULO TAMBURRO. disse...

CYNTHIA,

eu me conformo em ser os restos e a merecer sua migalhas de atenção. kkkkkkkkkk

Não se esqueça de nós!

Um abração carioca.