IRMANADOS NA DOR.


Uma cidade de duzentos mil habitantes aninhada no Estado de Santa Catarina e que antigamente se escrevia xapecó pela origem indígena do seu nome produziu um time de futebol, sempre considerado pequeno neste imenso e complicado balaio de grandes times de futebol, num país chamado Brasil , cinco vezes campeão mundial de futebol.
Um grupamento de jogadores que vive em clima absolutamente familiar, misturados em campos às suas famílias, e nos jogos, na plateia muitas crianças e casais não raramente abraçados.
Estava começando a voar alto, estes bravos jogadores da Chapecoense, assombrando o Brasil e no futebol tudo aquilo que espanta o Brasil, repercute imediato no mundo.
Até que o pagé de xapecó deve ter adormecido e o pássaro de ferro que levava seus amigos e camaradas, espatifou-se contra os obstáculos que sempre se antepõem aos pobres e pequenos quando estes insistem em botar a cabeça para fora das suas origens.
A Chapecoense estava começando a ficar grande, respeitado por aqui nestas terras Macunaíma e lá fora derrotando ilustres e imensos símbolos do futebol e o último foi o time do Papa,o San Lourenço da Argentina.
Para ser grande o pequeno deve enfrentar todas as mais perversas e ameaçadoras montanhas levantadas pelos poderosos, altas, por vezes instransponíveis, e nesta oportunidade fatal.
Ficaram por ali espalhados no campo indevido, antes de poderem entrar no campo desejado que era o do futebol.
Os pequenos e os pobres na maioria das vezes pagam com as próprias vidas suas legitimas pretensões de serem grandes, admirados e passarem a fazer parte do seleto cadinho daqueles que mesmo podem nunca terem feito gols, mas conseguem suas posições, comprando os juízes.
Foram-se quase todos os jogadores, morte estupida naquela montanha hedionda,jogo que não teve inicio, mas teve o falta fatal da sorte que os derrotou.
Cyro Aranha um conhecido e respeitado brasileiro, quando foi presidente do C.R.Vasco da Gama cunhou esta frase: “Enquanto houver um coração infantil, o Vasco será imortal”.
E hoje, nesta triste data, fica emprestado para toda a população de Chapecó esta certeza.


                                                                           


2 comentários:

Odete Ferreira disse...

Meu amigo: também me irmano nesta tragédia.
Belíssima homenagem.
Bjo

PAULO TAMBURRO. disse...


ODETE FERREIRA,

se pudêssemos faríamos muito mais!

Um abração carioca.