UM HOMEM JUSTIÇADO POR UMA QUESTÃO DE MINUTOS.

Diomedes Leôncio vivia com sua companheira Maria letícia há exatamente, trinta e seis crises de TPM da sua encantadora mulher e que no calendário dos outros mortais seriam três anos.

Maria Letícia ,até que pelo conjunto da obra dava para ir levando pois, exibia um corpaço moreno muito bem formatado,bocão carnudo, mulher inteligente , um excelente salário numa multinacional, cultura razoável e um belo apartamento de frente para a praia de Copacabana no qual, Diomedes Leôncio vivia como um agregado,e por estas razões sutis, era o sonho de consumo de qualquer homem.

Ele preferia este termo de agregado, mais ela por diversas vezes o chamou de vagabundo!

Num belo dia de verão ele, o agregado vagabundo, saía da praia com seu short preto e óculos Ray-ban, ao lado de uma vizinha de alguns andares abaixo ou acima do apartamento que ocupava e por uma destas infelizes coincidências Maria Letícia estava na janela e o viu.

Só depois de quarenta minutos cronometrados, ele meteu a chave naquela porta que não lhe pertencia.

Maria Letícia sem deixar barato, foi logo perguntando e fazendo-se de idiota:

-Que horas você saiu da praia?- com cara de quem queria realmente explicações e estava com um relógio na cabeça.
- Saí há cinco, dez minutos atrás e vou tomar um banhozinho. Vamos amor?- tentando desanuviar o temporal afetivo que já pressentia pairar sobre sua cabeça.
-Deo – era o apelido que ela o tratava - há quarenta minutos atrás eu vi da janela você entrar no prédio, com uma galinha de chapelão e óculos escuro e tão camuflada que não pude nem ver os cornos dela.
-Eu? Você pirou – tentou rebater aquela bola que ele já sentia muito perigosa e dentro da sua área.
-Sim cachorro nojento, pústula desgraçado!
-Maria Letícia, faça estas contas direitinho .Acho até que foram quarenta minutos sim, pois, fiquei conversando com o porteiro uma meia hora, querendo subir e ele com aquele papo de futebol.Depois entrei no elevador que estava lotado e a Carmem Lúcia com aquele barrigão de grávida quis entrar também e aí dei meu lugar pra ela já que o elevador estava muito cheio.Depois o elevador não descia de jeito nenhum.
-Sei... o porteiro. Que porteiro Deo?
- O Raimundão...
-Ah, sim ... Foi com ele que você ficou conversando trinta minutos seu filho de uma... -Maria Letícia deixa minha mãezinha fora disso - esbravejou Deo.
-Está bem . Posso chamá-lo então de mentiroso safado que acredita nas suas próprias mentiras, seu pré-corno?
-Pré-corno? – inquiriu Deo com cara de quem não pretendia deixar de ser “pré”.
-Não muda de assunto seu moleque, porque o Raimundão está de férias e não colocaram ainda, outro no lugar dele e a Carmem Lúcia está no hospital desde ontem à noite pra ter filho.
-Como assim?
- Deo, eu vou te dar com a jarra na cabeça – indo em direção a um quase monumento de porcelana japonês enorme e sem dúvida, pesadíssimo. - Essa jarra não, Maria Letícia, você me mata . Que ciúmes mais destemperado!
-Destemperado, né corninho...
-Ué,agora já sou corno?
- Deo, aff.... não me cansa, quem era a mulher disfarçada com aquela saída de praia que mais parecia uma...
-Ta bem, Maria Letícia, é uma nova moradora do apartamento quinhentos e quatro uma senhora até muito distinta e educadíssima que perguntou antes de entramos no elevador se eu conhecia algum eletricista bom , porque o marido dela que estava em casa -e você aí botando maldade em tudo - não conseguia colocar um disjuntor para o chuveiro elétrico.Aí me ofereci e ela me apresentou ao marido dela e troquei o disjuntor,e o marido me agradeceu muito e vim embora.
-O disjuntor? E trocou o óleo também?
-Como assim Maria Letícia, “trocou o óleo”!
-É exatamente o que escutou, foi com a senhora “educadíssima” do quinhentos e quatro, cujo apartamento está vazio, seu canalha sem-vergonha e tem até anuncio aqui neste jornal para alugá-lo, vou te mostrar seu filho de uma ..

-Maria Letícia!- Gritou Diomedes Leôncio interrompendo e demonstrando firmeza e que definitivamente, não queria envolver sua mãe naquilo.

-Olha o anúncio aqui, tá vendo?Agora me diga quem era aquela periguete, mentiroso...

- Meu Deus estou muito confuso...Não sei de nada, sou inocente. Maria Letícia, está bem eu perdi, mas foi um sexo descompromissado, irresponsável, fortuito, animal, coisa de homem,volúpia de momento descaradamente selvagem,um impensado orgasmo desnecessário e na escada do edifício,sem nenhum sentimento, nem afeto porque este eu guardo somente pra você, meu amor.E como eu me arrependo!

Fez-se um silêncio sepulcral em meio aquela encenação ridícula, grotesca e tragicômica.

Então, Diomedes Leôncio fechando os olhos, contraindo o rosto, antevendo o fortíssimo impacto, disse com voz de menor abandonado e fazendo uma falsa boquinha de choro:

-Tá bom, meu amor pode me dá com o jarrão na cabeça, mas por favor Maria Letícia, me presta socorro depois.

25 comentários:

mery disse...

És demais, o máximo, só podia ser carioca mesmo, bjinho.
Me faz uma visita, pô.

Sandra Botelho disse...

Coitado, mas ele tá certo uai, se não tem sentimento não tem traição...Desde que não seja comigo,rsrsrs.Meu querido amigo dias lindos pra ti.beijos achocolatados

Prof Elizeu Domingos Tomasi disse...

Ola adorei sua crônica! Gostaria de pedir autorização para utilizá-las em minhas aulas.

Abraço Barriga Verde

... Zeu!!!

Mara Vie disse...

Oh, my friend, legal saber que você conhece a cidade em que moro. As pessoas daqui são muito receptivas, tanto assim que aqui fiquei até hoje.
No mais, te parabenizo pela critividade de seus textos.
Abraços!

ELZerfas disse...

Se eu fosse ela não quebrava jarro nenhum colocava ele pra fora nú; sem nada. Seria mais facil resolver o caso com a perigete.
otimo post.

Kiro Menezes disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

adorei o texto...

http://diariodakiro.blogspot.com/2011/06/selinho-ao-roseira-ferida.html

Ofereço com muito carinho, viu?! Bjssss

Cynthia Lopes disse...

rsrsrsrs... adorei o final!!!
bjs

Geisa Machado disse...

A mulher dele é gostosa, ganha muito bem e tem um apto de frente pra Copacabana. Ele se diz agregado, vulgo vagabundo. É claro que ela vai precisar de uma coleção de jarros pra atacar na cabeça dele cada vez que sair com outra, porque é sinal que não vai parar por aí. Fica mais barato e menos desgastante assumir que os dois se merecem. rsrsrsrs Fazer o que, cada um é feliz como pode, não é? rsrsrs
Bjusssss

Si, Fosse Algo seria o Nada disse...

Como sempre muito bom!
Adoro esse "tempero" carioca que só vc consegue dar ao cotidiano!


Bjssss

Ira Buscacio disse...

Paulo Tamburro, meu querido ex e futuro amigo, que negócio é esse de ser abandonado? Ah, esses meninos de tamanho G! Tão sempre exigindo colo, se bem que, colo aqui não falta, né?
Do ínicio do Faces do Poeta pra cá, o espaço cresceu e meu tempo diminui, quase não dou conta dos comentários em outros blogs, mas isso não quer dizer que não os visite.
Confesso meu pecado, na verdade procuro dar reciprocidade aos que deixam comentários e vc meio que abduziu, mas msm assim, vez ou outra , ainda venho aqui dar umas boas risadas, tá.
Agora vamos dividir essa culpa? Estendo meu dedinho pra gente ficar de bem, ok?
Agora vou te falar uma coisa, se sou eu, bonita, poderosa e morando na atlântica... Ah, esse tal de Diomedes Leôncio nem tinha esquentado a bunda no meu cafofo. Não tem aquele ditado: Homem é que nem biscoito. Sai um, entram dezoito! Malandro em casa, só em música, na voz do meu tudo Chico Buarque!
Bjão, meu querido e bom feriadão, de carioca pra carioca.

Pedro Mattos disse...

Cada um faz o que pode neh [2].
Mas traiçao é traiçao. Se voce ainda estar com a pessoa, mesmo que sem afeto, mas ela pensando que vc ama, é traiçao.
[http://pedrowood.blogspot.com]

Bete disse...

E aí muito legal o seu blog, pelo menos visualmente, pq ñ tenho tempo pra ler agora + com certeza + tarde em casa devorarei. Abraço Carioca Bete

Gutenberg Fernandes "O Guto" disse...

Hahahaha... isso que dá fazer merda! Paulo, prazer seja bem vindo ao meu blogger vamos trocar informaçao! Vc com os textos humoristicos e eu com as minhas reiceitas! Grande abraço...

Solange Maia disse...

Paulo,

vim buscar o teu humor para alegrar o meu feriado...

como sempre : ótimo !

beijo grande

Licia Marques disse...

Oi,Paulo

Ótimo texto,como sempre.

Interessante que gigolô tem sempre o mesmo comportamento,inclusive apelar pra termos mais lights, como "agregado"; eterno cinismo.

Uma dúvida: em "...sem nenhum sentimento, nem afeto porque este eu guardo somente pra você, meu amor.E como eu me arrependo!", ele se arrepende de guardar o afeto somente pra otária de plantão? hahaha.

Bom feriado pra vc & leitores

Abrs

Lícia

Denise disse...

Isso q é ser cara de pau, não tem mais nada pra ninguém.

Marcelinha disse...

Afinal, é Leticia Maria ou Maria Leticia?
Adorei, claro, como sempre bem humorado e real.
Beijos

Dandara S. disse...

hahaha excelente, como sempre!! Adorei! :)

MARILENE disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Subestimou, levou!!!!!

Meu novo amigo, seus comentários em meus blogs os enriqueceram.
Volte sempe que tiver um tempinho, pois será recebido com prazer.

Bjs.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Muito legal, caro Paulo. Como todos. Um abraço.

Fênix27 disse...

Meu novo amigo,este texto é 10,mas para que porrada, a fila anda.Perder tempo em rezar para defunto ruim,vira página e parte para outra.
Vim agradecer pelo seu lindo comentário que simplesmente foi assim o máximo, e por me seguir, como eu tambem já me tornei sua mais nova seguidora.
http://wwwavivarcel.blogspot.com/

Lully disse...

Oi Paulo, agradeço a visita no meu blog, estou seguindo o seu tbm, gostei bastante.
Beijus.

Aline Oliveira disse...

Adorei... Seja bem vindo! Obrigada pelo eleogio do meu texto!

Lu Dantas disse...

Sabia que aqui encontraria esse humor que tanto precisava..rsrs..

Em tempo, depois dessa virou sem-teto, não? srs

Bjs

Erika Assad disse...

Pura alegria é vc menino...!!!
Já estou aqui viu...rsrs...
Beijos....carinhos